domingo, 7 de maio de 2017

Sozinho

Já me acostumei tanto ao ninho que, mesmo nos dias em que quero muito voar chegando lá sinto vontade de voltar.
A diversão acabou, o ânimo desapareceu, os risos murcharam, as conversas cessaram, as faces desfaleceram.
São raras as ocasiões
São poucas as horas
São escassas as vezes
Demoro-me a me conformar
Sou tardio ao retornar
Quando as luzes se apagam sou apenas eu; não mais barulho, não mais as distrações nem mais o brilho, somente o singular.

Nil Lima ( ex-aluno CETEPI II WILSON PEREIRA)

quarta-feira, 8 de março de 2017

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017



OLHA QUE TEXTO LINDO QUE FUI PRESENTEADA POR UMA LINDA AMIGA!
#Simplesmenteamei

Vinho Poético 
Interessante lembrar como as melhores 
coisas ficam pra o final. É sempre assim, a música mais badalada do cantor favorito, o partir do bolo na festa de aniversário e coisas similares. Foi assim também na festa de casamento que Jesus transformou "água em vinho". Naquele momento aconteceu um milagre, a festa poderia acabar antes da hora, sem vinho, sem alegria pelas bodas, mas o melhor vinho foi apreciado e sentido em todo seu primor no final.
Ao acordar agradeci por mais um dia, mas ainda sonolenta fui olhar as mensagens no celular e li o poema de minha nova amiga, a Adriana. O poema "Moinho" muito lindo e quando li, pedi permissão para compartilhar e minha memória  fez-me recordar do final da tarde do evento que participamos. ali começamos a conversar e perceber que falamos a mesma língua. Não apenas oficial do nosso país, mas a língua pura dos poetas, cheia de graça e letras que traduzem muito mais que poemas. Uma língua cheia de energias poéticas e que nos move a escrever ainda mais. Como um idioma que só quem gosta de ler e escrever entende. Um poeta se inspira no outro, se afina com a mélodia, saborea as letras como " o degustar de um vinho". 
Nestes momentos que parecem mágicos, apenas me delicio com o deslizar das palvras percorrendo as linhas do caderno e  não importa  tanto o tamanho do texto, a diagramação da estrutura, isso fica para o segundo plano.
O que mais posso desejar do que este maravilhoso "vinho poético" me inspirando assim como foi com o poema de minha nova amizade.
Neste macro e micro ecossistema que chamamos terra, encontramos os que tem algo especial em comum e assim compartilhamos a alegria, o sabor de uma boa conversa dos poetas e apreciar o melhor da festa.

Jacilene Jesus, 31/01/2017

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Moinho

Vidas vêm,  vidas vão, vidas vêm ...
Nascer, morrer,  renascer ...
Roda moinho, roda devagarinho...
Quero viver cada tanto um pouquinho!
Vidas vêm....

Saudades de quem já se foi,
Saudades de quem está por vir.

Roda, roda
a roda da vida moinho,
Roda devagarinho!
Vidas vêm e vão e vêm...

Adriana Carvalho

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Sucesso total com o make da profissional Lucinha Araújo!

Profissional qualificada, Lucinha Araújo chegou para deixar ainda mais belo o rosto das pauloafonsinas.
Contato: (75) 98839-3086
(75) 99125-3379 (Whats)

terça-feira, 21 de julho de 2015

FAST-FASHION, ou...

FAST-FASHION, ou... Você vai à feira livre toda semana, passa pela barraca da Tia (às vezes mal humorada) que expõe ótimas cerejas, todas fresquinhas, trazidas da fazenda direto para o cesto da banca. Dessa mesma safra, orgânica, é bom ressaltar, a tia expõe seus desdobramentos: a torta produzida por ela mesma e seus sobrinhos, o molho que ela misturou com especiarias e é o segredo daquele prato do chef famoso francês da tv e a geléia de pura fruta, de causar inveja a doceira preferida deKarl Lagerfeld. Você quer comprar, claro, mas não tem como, é bem mais caro e o fornecedor da tia simpática da banca ao lado gritou mais forte, tão forte que desempregou dona Dora, (de quem falarei um pouco mais a diante), que assim como dona Laura, foi largando o tacho. Foi assim com dona Maria, dona Severina, seu Ótávio, sr Osvaldo e vários outros...
Junto ao "grito silencioso" do grande fornecedor da tia simpática da barraca Anilinamente policromática, vem aquele cheiro que vc viu na tv... seu olho já pode cheirar?... hummm ...alí, aquele nariz que ainda lhe serve e te leva para a pipoca sabor cereja do micro-ondas da barraca da tia fofa, explode olfativa e amorosamente a "pipoca moderna!" sabor cereja-pink-fluor, tendência na vasta cartela de pantone da temporada. Essa pipoca, eu, você, todo mundo pode! tem até pipoca 12X S/ JUROS, (sei...) Você olha atentamente ao cartaz e: WoW! a foto da Gisele recortada sem o Pantene multi-vitaminas que estampava a Revista semanal preferida da tia fofa e que lhe servira incrivelmente como estandarte para embelezar e atestar sua barraca para seus multi-estilosos clientes. Enfim, quem não gostaria de comer cerejas como a gisele? você pode! Você pode tudo, a filha do Paul quem falou, não foi só a Gisele. E vc chegou a ouvir da filha de outro Paulo, aqui do Brasil, que tinha gente se estapeando pra comer cereja em nosso país assim como come a Filha do Paul lá em London. A filha do Paulo de cá conseguiu. Bravo!
Você comprou a que pôde. Aquela que coube no orçamento, pois se com as primeiras cerejas ficasse, teria talvez que abrir mão da visita à feira na semana seguinte, assim, fingiu que a cereja no potinho não era formada de redondas partículas de mamão verde, mergulhadas numa essência de CEREJA ADH-27, com uma saborosa calda de açúcar e água, sem esquecer da tal ANILINA-CHERRY razão do sorriso da tia fofa, que vc finge que não sabe de nada. Tenha certeza, ELA NÃO SABE. Ela não soube como saber, só a comunicaram pelo seu smartphone que a fatura do cartão estava vencendo e ela, verá que um filho teu não foge a luta! Afinal, o credor SABE.
Você leva a cereja pra casa, enfeita seu bolo tipo o da Tia da primeira barraca, aquela mais cara, lembra? ou a Gisele da segunda te fez esquecer? tembém, com aquela beleza, ave Maria! ou melhor, Ave Gisele!
Só te digo uma coisa, se quiser comer a geléia dessa cereja-mamão produzida em Bangladesh, aquela que o pé de mamão-cereja desabou levando várias produtoras para onde cresce a raiz das coisas, lembra? para isso, você precisa voltar à feira e comprar um pouco de "Cravo-da-Índia", esse cravo é de lá mesmo, pois aprendi no sertão que "mamão verde é bom mesmo é com cravo-da-Índia!", que ajudava a seduzir aquele doce pago diretamente a Dona Dóra, uma linda e elegante mestiça e doceira da minha infância, não tinha um bom humor, dava umas risadas graves, gostosas, coisa lá dos seus ancestrais, mas fazia todos bem humorados na sua casa doce e "coitêra" era tudo simples e delicioso. Mas se quisesse doces finos, você poderia ir à Tia Laura, minha tia avó que dedicou-se a descobrir a magia causada pelas cerejas e outras belezas da terra, escreveu livros de receita, era mais caro que a Dona Dóra, confesso, mas essa sabia seduzir como ninguém, ou melhor, ela sabia colher da cereja seus atributos mais nobres.
Guto, Rio, 01 de Julho, 2015.

Att.: Obrigada Guto Carvalho pela honra de publicar um texto tão artístico e de uma beleza tão sua. Ter um artista completo como você como colaborador de meu blog é para mim uma grandessíssima alegria!  Cheiro no coração! 

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

terça-feira, 5 de novembro de 2013

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Crônica: Espelho, espelho meu...

Outro dia estava eu na sala de aula, ouvindo uma aluna lendo um poema de Cecília Meireles, Retrato, enquanto os outros faziam a atividade proposta, eu observava como quem está em uma janela, a vida comum a todos, e assim a leitura transcorria...

"Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo.
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
Em que espelho ficou perdida a minha face?”

Em um breve instante me transportei para um tempo não tão remoto, mas bem juvenil, lembrei de um trabalho de educação artística que a professora havia sugerido, quer dizer, hoje os professores sugerem, antes eles mandavam e impunham, enfim, voltemos ao espelho... meu espelhinho redondo, rosa e cheio de florzinhas ficou LINDO! Fiquei tão satisfeita que não parava de olhá-lo e olhar-me, tudo era, era... muiiito jovial. A adolescência passa num piscar, e quando nos deparamos adultos, estamos tão ocupados com as conquistas que não nos importamos muito em nos olharmos no espelho, pois no fundo achamos que aquela cara envelhecida de um alguém que passa é coisa que demora a chegar, TODO MUNDO SABE: as coisas ruins só acontecem com os outros, o engraçado que a depender do ponto de vista, OS OUTROS pode muito bem ser nós mesmos, depende de quem olha, e nem nos damos conta disso ou simplesmente não queremos perceber, tudo bem.
Continuamos jovens aos trinta em diante só que com uma informação adicional, Diz "sou jovem por dentro", a maturidade é fogo...todo mundo a quer, mas ninguém aceita a sua condição, e é nesse ponto exato que as olhadas no espelho vão diminuindo, não por que não desejamos, mas por enfrentar um rosto já maduro que talvez não condiz com o retrato que fazemos de nós mesmos. Aqui não está em voga à beleza ou a feiura de cada um, pois cada um, nesse assunto, se identifica como queira. Isso depende muito da auto-estima, há dias em que me sinto linda, outros nem tanto assim, acho que isso acontece com todo mundo, pois sentir-se feio de verdade não parece ser bom não. Enfim...
Espelho, espelho meu tem alguém mais realista do que eu?
............................

Ele não respondeu.

Por: Adriana Carvalho

sábado, 17 de novembro de 2012

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Crônica : Interesseiro eu...? Você...? Sei disso não!


Tudo na vida consiste em interesses, ninguém faz nada se não houver um punhado que seja de retorno. Exagerada eu! Imagine! Sou verdadeira e realista. Ninguém vai à escola só por ir, vai para construir conhecimento e ainda mais importante, ter o diploma, ninguém trabalha por que enobrece a alma, vai porque além de enobrecer a alma recebe seu DINDIM. Isso é interesse humano, queremos retorno. Por outro lado existem os mal-intencionados, aqueles em que tudo o que fazem têm que ter retorno para si, mesmo em uma amizade, onde só ele lucra, amigo desse tipo, não é preciso ter um inimigo! Amigo de verdade é aquele cujo interesse maior é a própria amizade, que respeita a liberdade de escolha e de credo, que deixa o outro livre para ir e vir. À vezes, este que se diz amigo ignora o livre arbítrio do outro, fechando-se em um casulo, criando situações que desrespeitam a vontade e o bem-estar do outro, tentando fazê-lo pensar que é responsável pelos enganos e desenganos cometidos, punindo o outro ou até o mundo; ISSO LÁ É AMIGO! O interesse aí é egoísta e insano. Sou muito interesseira sim, mas em manter meus amigos, pelo simples fato de serem meus amigos. Para falar a verdade, sou muito interesseira... ou interessada...? Acho que os dois... Interesseira porque tenho mil e um interesses a começar que você leia minha crônica, ah!ah! ah! Seu interesseirozinho! E espero que o seja, mas no sentido positivo da palavra. Tenho tantos interesses que é melhor nem citá-los, os leitores ficariam boquiabertos, já disse, sou muito, muito interesseira.  E interessada em um mundo melhor, onde todos cresçam querendo o bem do outro, que sejam verdadeiros interesseiros do bem sem verem a quem.

Por: Adriana Carvalho





Dicas de redação para o ENEM